Imprimir Compartilhar Enviar por e-mail

Elcy Barroso: Uma vida dedicada à Segurança Pública. Artigo por Odirlei Araujo

Elcy Barroso: Uma vida dedicada à Segurança Pública. Artigo por Odirlei Araujo

 A grandeza de um homem pode ser medida por seus atos. Um bom exemplo é a história de vida do Delegado Elcy Barroso.

 

Nascido no interior do Amazonas, no distante município de Eirunepé, veio para Manaus com sua família ainda menino, fugindo de situações precárias de vida e em busca de melhoras, até porque na ocasião uma epidemia de malária havia atingido sua família e a fatalidade ocorrida quando quatro de seus irmãos pereceram, motivou a vinda da família para a capital.

 

Infância pobre e dificuldades eram comuns à maioria das famílias, principalmente as que vinham do interior e não tinham recursos de sobrevivência suficientes.

 

Desde sua chegada, trabalhar e estudar com grande dificuldade foram a argamassa que selou os alicerces de vida de Elcy Barroso. Apesar de ter que trabalhar em serviços braçais e ainda estudar, dividindo assim suas horas diárias, Elcy foi um vencedor; concluiu seus estudos de primário, ginasial e segundo grau, e, em 1968 ingressou na Faculdade de Direito do Amazonas, lugar que ainda hoje é privilegio de poucos estudar e se formar por aquela escola universitária.

 

Em meados dos anos 70, ingressa nos quadros da Policia Civil do Amazonas, já na função de Delegado de Policia, cargo que exerce até hoje e que por força da aposentadoria compulsória, deixará a sensação de vacância, ainda que seja substituído, outro igual não há.

 

A aposentadoria compulsória ocorre quando o servidor público estatutário ou celetista atinge a idade máxima no serviço público, ou por interesse público. De acordo com a Lei nº 8112/90, a aposentadoria compulsória é automática para todo servidor que completa a idade de 70 anos.

Entretanto, essa apontada aposentadoria é uma presunção de incapacidade para o serviço público do servidor considerado idoso. Ora, presumir que um servidor é incapaz somente em virtude de sua idade é no mínimo desarrazoado, uma vez que a idade, por si só, não reflete na lentidão do serviço público, além de não demonstrar que o servidor seja inválido para atividades laborais.

 

A competência para o serviço público somente poderá ser avaliada no caso concreto, sob pena de se cometer injustiça. Assim sendo, tanto um jovem servidor, quanto alguém que atingiu a idade máxima deverão ser avaliados para se concluir se têm condições de continuar prestando um serviço público eficiente e de qualidade. A idade não mede a capacidade de nenhum agente público.

 

Tendo em vista o fato de que idade e aposentadoria não medem a capacidade e a competência profissional, e ainda, não determina se a pessoa continua apta ao trabalho, vimos desenvolvendo o projeto do Programa Meu Próximo Trabalho a ser implantado ainda este ano, uma vez que já está em andamento e temos que seguir os tramites que o projeto exige para sua aplicação e assim, poder contribuir para esses valorosos companheiros, que a exemplo de Elcy Barroso, tanto contribuíram e muito ainda hão e contribuir para a sociedade amazonense.

 

Em trinta e sete anos de relevantes serviços prestados à sociedade amazonense, o Delegado Elcy Barroso atuou desde o cargo de Delegado Geral até a delegacia do município de Iranduba, onde a proliferação de criminosos atuantes em Manaus que ali recorriam a fim de se manter impunes chegou ao estado alarmante e fizeram o então prefeito Nonato Lopes convidar Barroso a assumir a delegacia daquele município a fim de restabelecer a ordem ameaçada pela crescente onda de crimes e criminosos.

 

Desafio aceito, Barroso torna-se querido pela população local e mostra pulso forte ao enfrentar a criminalidade, dar sempre a resposta esperada e ter o reconhecimento da população. No mesmo período em que esteve o município de Iranduba, Barroso enfrentou desde ameaças até atentados e acusações maldosas e demeritórias de uma “autoridade legislativa”.

 

Na audiência da CPI sobre Tráfico de Pessoas em Manaus, Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e outros criticaram o Delegado Elcy Barroso, que disse desconhecer qualquer caso ou suspeita de tráfico humano.

 

O jornal A Crítica noticiou que uma adolescente teria sido convidada a trabalhar em Manaus. Ao chegar, foi forçada a prestar serviços numa casa de encontros sexuais, de onde fugiu. Segundo o delegado, a vítima disse que não foi forçada a viajar. Isso, na interpretação dele, não caracteriza crime de tráfico humano. Vanessa lamentou a afirmação e disse que o delegado “está longe da realidade que o Brasil vive”.

 

Ora, ninguém é obrigado a seguir opinião de outros, ainda mais porque, diferente dos que legislam em causa própria, o Delegado Elcy Barroso é Advogado e Delegado de Policia com vasta experiência, inclusive para discernir entre o fato e a suposição.

 

Dentre tantos atentados contra sua atuação, Elcy também sofreu atentados na delegacia de Iranduba, quando elementos criminosos tentaram invadir o prédio para libertar um detento perigoso e eliminar outro de uma facção rival. Não bastassem tantas situações de alto risco, Barroso ainda enfrentou um grupo de invasores de terra travestidos de indígenas que tentavam impor a desordem e o dano ao patrimônio público e privado, tendo conseguido mediar a situação sem conseqüências desastrosas.

 

Tantas e tantas foram as ações deste “Herói da Segurança Pública” que não caberiam aqui, talvez num livro contando sua história. Mas, para nós é oportuno registrar nesse artigo nossa admiração e gratidão a este homem que teve sua trajetória profissional marcada apenas por bons serviços em favor da segurança pública e da sociedade amazonense. Elcy Barroso. Você que dedicou sua vida ao serviço árduo de garantir a outros a justiça e o direito. Você que amou e adorou com a alma a sua querida terra sagrada de Ajuricaba, receba nesse artigo a justa homenagem do SINPOL-AM.

 

 

“Como é sublime saber amar, com a alma adorar a terra onde se nasce” (Canção do Exército Brasileiro).

 

 

O autor é Bacharel em Ciências Econômicas, Escrivão de Policia Civil, Presidente da AEPOL e Vice-Presidente do SINPOL-AM.

 

Comentários »


Enviar comentário




Lida 1208 vezes