Imprimir Compartilhar Enviar por e-mail

Presos da delegacia de Iranduba fazem rebelião e ameaçam Policiais

Presos da delegacia de Iranduba fazem rebelião e ameaçam Policiais

Não é novidade para o SINPOL-AM que há muito vem pedindo providencias junto aos órgãos da justiça e da segurança pública para resolver a situação de permanência e superlotação de presos nas delegacias da capital e interior do Estado. 


As constantes ocorrências de rebeliões e protestos de presos por superlotação tem colocado em risco iminente os Policiais que trabalham nessas unidades e nós temos acompanhado e agido há anos juntos ao Ministério Público, Tribunal de Justiça, Secretaria de Segurança, Secretaria de Administração Penitenciaria a fim de resolver tal problema que é antigo, recorrente e crescente. Não dá mais para conviver com esse estado de incertezas e descasos. Vamos endurecer o discurso e as ações. Nossos Policiais são valiosos para ficar à mercê de infratores, se fossem cidadãos de bem e de direitos, não estariam presos, por isso, alertamos que não vamos mais esperar soluções prometidas, chega de ameaças e delegacias lotadas. DELEGACIA NÃO É PRESIDIO, e agora vamos partir para a fiscalização direta e com providencias radicais diante do descaso com a segurança de quem trabalha pela segurança pública.


Detentos do 31º Distrito Integrado de Polícia (DIP), localizado no município de Iranduba, distante 27 quilômetros de Manaus, fizeram uma rebelião no final da noite desta segunda-feira (08). Para conter os 42 detentos, foi necessário o apoio policial da capital.


Segundo informações da Polícia Militar (PM), os presos gritavam por comida e destruíram, parcialmente, duas celas do 31ª DIP. Para conter a rebelião formada, foi preciso que um reforço policial da capital amazonense fosse deslocado para o município. Policiais da Força Tática, da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) e do Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Grupo Fera) participaram da ação. Após a contenção, no início da madrugada já desta terça-feira (09), 36 presos foram transferidos para a Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa, em Manaus.


Esta foi a segunda rebelião que ocorreu no local. Em 2011, três detentos foram mortos durante a rebelião. Os presos atearam fogo em colchões dentro das celas e arrancaram grandes de ferro da parte superior da delegacia.


Equipes da Força Tática e da Ronda Ostensiva Cândido Mariano (Rocam) foram acionadas para auxiliar na contenção do motim.

 


Até o final de julho, a unidade estava superlotada. As duas celas com capacidade para 14 detentos eram ocupadas por 50 presos. A delegacia do município tem registrado rebeliões frequentes desde ano passado. No último dia 26 de julho, houve registro de um princípio de rebelião os detentos reclamavam de superlotação.


Enfim, que o Governo do Estado, por meio de suas secretarias de Segurança e Administração Penitenciaria tomem as devidas providencias, sob pena de nós começarmos a fechar delegacias até que se respeite quem trabalha nesses locais e o limite de presos. Chega de  omissão conosco.




Administração: Unidos Para Avançar

Presidente; Moacir Maia

Assessor de Comunicação: Jornalista Silvio Rodrigues. MTE-AM 416.

 

Comentários »


Enviar comentário




Lida 747 vezes