Imprimir Compartilhar Enviar por e-mail

SINPOL-AM faz estudo sobre a arrecadação do Estado e prevê melhoras para 2017

SINPOL-AM faz estudo sobre a arrecadação do Estado e prevê melhoras para 2017

 

 A crise econômica e o estado de recessão que ora assola o país tem dado sinais de amenização e a provável retomada da recuperação, é o que apontam os estudos apresentados por uma consultoria internacional. O Diretor de Finanças do SINPOL-AM Fredson Bernardo realizou um estudo com base em dados reais sobre a recuperação econômica no Estado do Amazonas com base nos dados apresentados sobre a realidade nacional, regional e local.

 

No Amazonas desde 2014houve a queda projetada de cerca de R$ 1,4 bilhão na arrecadação estadual que no ano de 2015 levou o Governo do Amazonas a rever a previsão da meta fiscal de 2016. Em mensagem enviada à Assembléia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) com Projeto de Lei que altera a Meta Fiscal de Resultado Primário para o exercício de 2016, o Governo do Estado apresentou os impactos negativos da crise econômica na Receita Pública, tanto na arrecadação de tributos quanto nas transferências, para solicitar a revisão do anexo IV da Lei 4.064/2014, que traz o demonstrativo das Metas Anuais.

 

Segundo a justificativa anexa ao PL enviado a ALE-AM, a soma desses dois fatores  (queda na arrecadação e as operações de crédito não realizadas) é a razão principal da geração de déficit nas contas do Estado. Em termos gerais, a queda chegou a 8,42% da Receita Bruta do Estado, composta pela Receita Tributária, Receita de Contribuições, Transferências Federais e demais Receitas.

 

O Diretor de Finanças Fredson Bernardo fez um resumo dos dados. “Apesar dos dados negativos no primeiro semestre de 2016 (exceto o mês de maio), o mês de outubro apresenta sinais de recuperação dos números positivos, visto que a somatória do segundo semestre aponta uma redução dos números negativos e um aumento porcentual, o que nos leva a fazer previsões positivas para o ano de 2017 no tocante a questão salarial e outros benefícios que o SINPOL-AM vem buscando junto ao Governo do Estado em favor da categoria”. Destacou Bernardo.

 

A Região Norte deverá liderar a expansão econômica do País em 2017 com 3,9% de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), mais do dobro de demais regiões como Sul e Sudeste que respectivamente devem chegar a 1,3 e 1,4% em crescimento do PIB. A informação foi divulgada na semana passada como resultado de uma pesquisa elaborada pela consultoria Tendências, no qual a agência britânica Reuters teve acesso e a publicou. Para o Brasil, a consultoria estima alta do PIB de 1,5% para o próximo ano.

 

A Tendênciasestima que a indústria deva ser em 2017 o principal foco da economia no Norte, fato que levará efeito multiplicador para as demais atividades econômicas. A pesquisa estima um crescimento de 7,2 % para o PIB, assim considerado o triplo de vezes prevista só para o País.

 

Outras regiões

Conforme a pesquisa após o Norte vem as Regiões Nordeste e Centro-Oeste, com quase a metade do crescimento esperado respectivamente de 2,3% e 2,2%. No fim da lista, estão Sudeste com 1,4% e a Região Sul com 1,3%. Para o Brasil, a pesquisa estima alta do PIB de 1,5% para o próximo ano.

 

Assim sendo, estamos confiantes e atentos para que nossas reivindicações sejam atendidas pelo Governo do Estado, lembrando que conforme os Deputados Josué Neto, Presidente da ALE, e David Almeida, Líder do Governo, o compromisso com o pagamento da terceira parcela do escalonamento está garantido e os demais benefícios que estão em suspense, serão pagos em breve. Os quadros abaixo mostram a evolução do quadro econômico, o que mostra que a economia do Estado já está zerando o déficit e entrando em zona de estabilidade.

 

A diretoria do SINPOL-AM trabalha diuturnamente de forma coesa e determinada para o bem estar da categoria e os resultados se mostram a cada dia.

 

 

 

Administração: Unidos para Avançar

Presidente: Moacir Maia

Assessor de Comunicação: Jornalista Silvio Rodrigues. MTE-AM 416

 

 

 

Comentários »


Enviar comentário




Lida 675 vezes